Tudo o que ela queria é que aquela mentira passageira fosse uma verdade duradoura e que a ausência do que não existia se tornasse uma realidade presente e constante em sua vida. Mas como assim não era, decidiu seguir em frente deixando muita coisa pra trás, sem sofrimento e sem arrependimento; pois como ela mesma dizia, um final é sempre sinônimo de um novo começo, e um novo começo é sempre uma nova oportunidade para ser feliz.

Quem é ela? Eu!

terça-feira, 2 de junho de 2015

QUANDO JÁ NÃO HÁ MAIS NADA A DIZER

...e de repente chega a um ponto em que o dicionário se torna pequeno e as palavras ficam escassas. É quando tudo já foi dito. Não há mais sinônimos e nem mesmo neologismos, e assim o tempo é perdido inventando-se histórias ao invés de ser aproveitado criando-se um novo conto.