Tudo o que ela queria é que aquela mentira passageira fosse uma verdade duradoura e que a ausência do que não existia se tornasse uma realidade presente e constante em sua vida. Mas como assim não era, decidiu seguir em frente deixando muita coisa pra trás, sem sofrimento e sem arrependimento; pois como ela mesma dizia, um final é sempre sinônimo de um novo começo, e um novo começo é sempre uma nova oportunidade para ser feliz.

Quem é ela? Eu!

segunda-feira, 16 de junho de 2014

LOUCA OU ESTRANHA

Eu sou uma pessoa estranha. Um péssimo espelho para mim. Tem dias que eu tenho quase certeza que eu sou louca mas aí eu prefiro me enganar achando que sou apenas estranha, é melhor assim. Hoje parei por uns segundos lembrando de dias atrás e pensando como as coisas acontecem na vida da gente desnecessariamente. É tão contraditório o que vou dizer que parece loucura: Se eu pudesse eu apagaria aqueles dias da minha vida. E se eu pudesse eu os repetiria todos os dias. Deixar uma pessoa entrar na minha vida é uma opção minha. Deixá-la sair é decisão dela. O livre arbítrio às vezes machuca

Nenhum comentário:

Postar um comentário