Tudo o que ela queria é que aquela mentira passageira fosse uma verdade duradoura e que a ausência do que não existia se tornasse uma realidade presente e constante em sua vida. Mas como assim não era, decidiu seguir em frente deixando muita coisa pra trás, sem sofrimento e sem arrependimento; pois como ela mesma dizia, um final é sempre sinônimo de um novo começo, e um novo começo é sempre uma nova oportunidade para ser feliz.

Quem é ela? Eu!

quarta-feira, 28 de março de 2012

AINDA É CEDO

Ainda é cedo pra dizer: Eu te amo
mas não pra dizer que quero você
Ainda é cedo pra dizer que você não sai da minha cabeça
mas não pra dizer que não consigo te esquecer

Ainda é cedo pra me entregar
mas não pra te conhecer
ainda é cedo pra namorar
mas não pra ficar com você

Ainda é cedo pra muito coisa
menos pra mim e você

Vamos aproveitar enquanto é cedo
não deixemos o tempo passar
Vamos perder o medo
perder o medo de amar

Se agora é cedo
depois pode ser tarde demais
O que o tempo leva
o vento não traz.

Um comentário:

  1. Essa poesia tem muitos anos. Acho que eu tinha uns 15 anos quando a escrevi.

    ResponderExcluir